tag:blogger.com,1999:blog-41037250542920518922012-04-12T13:42:07.078-07:00igualdademovimento pela igualdade no acesso ao casamento civilILGAhttp://www.blogger.com/profile/07305242735275750741noreply@blogger.comBlogger29125tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-45333654185117853572009-10-01T04:06:00.000-07:002009-10-01T04:09:12.832-07:00Lançamento de “Contos da Diferença” UMAR<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SsSN0YSAcuI/AAAAAAAACUE/rTpxL2YMq2Y/s1600-h/lancamento-livro-umar1.jpg"><img style="margin: 0pt 10px 10px 0pt; float: left; cursor: pointer; width: 197px; height: 299px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SsSN0YSAcuI/AAAAAAAACUE/rTpxL2YMq2Y/s400/lancamento-livro-umar1.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5387586985252647650" border="0" /></a><br /><span style="font-family:trebuchet ms;">Lançamento de Livro Contos da Diferença (várias autoras)</span> <span style="font-family:trebuchet ms;">2 de Outubro; 21h30; Velha-a-Branca</span> <span style="font-family:trebuchet ms;"><br /><br />O livro Contos da Diferença, composto por 17 contos originais, é o resultado da proposta do Blog Tangas Lésbicas e do esforços de várias mulheres em introduzir no panorama literário português o erotismo lésbico. “As (suas) heroínas são, apesar disso, mulheres como as outras, com os mesmos anseios e sonhos, com as mesmas dificuldades e êxitos, são pessoas com quem nos cruzamos todos os dias e das quais pouco ou nada se sabe.” (prefácio)</span> <span style="font-family:trebuchet ms;">A apresentação do livro será realizada pela Professora Luísa Saavedra (feminista; docente na Escola de Psicologia da Universidade do Minho). Tratando-se de uma actividade de apoio ao MPI – Movimento pela Igualdade contaremos também com a presença da Professora Francesca Rayner (MPI).</span> <span style="font-family:trebuchet ms;">O serão contará ainda com a declamação de Helena Gonçalves (UMAR- Braga) e com a divulgação do Seminário Para Além do Arco-íris: Activismo LGBT e Feminista nos 40 anos de Stonewall.</span><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4533365418511785357?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>sérgio vitorinohttp://www.blogger.com/profile/12357421714380231762noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-46967679010344606632009-09-02T22:46:00.001-07:002009-09-02T22:47:22.587-07:00IGUALDADE(S) EM DEBATE 9 SET<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/Sp9YWt0QfoI/AAAAAAAACSk/FNdGDAewsKY/s1600-h/Sem+t%C3%ADtulo.jpg"><img style="cursor: pointer; width: 369px; height: 400px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/Sp9YWt0QfoI/AAAAAAAACSk/FNdGDAewsKY/s400/Sem+t%C3%ADtulo.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5377113627382808194" border="0" /></a><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4696767901034460663?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>sérgio vitorinohttp://www.blogger.com/profile/12357421714380231762noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-72466862942895315272009-07-06T16:17:00.000-07:002009-07-06T16:18:28.704-07:00ESTE SÁBADO A IGUALDADE VOLTA A SER PALAVRA DE ORDEM<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SlKGJp8JmLI/AAAAAAAACPc/_1VlS8JiBGU/s1600-h/marchaporto2009.jpg"><img style="cursor: pointer; width: 283px; height: 400px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SlKGJp8JmLI/AAAAAAAACPc/_1VlS8JiBGU/s400/marchaporto2009.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5355490407332026546" border="0" /></a><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-7246686294289531527?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>sérgio vitorinohttp://www.blogger.com/profile/12357421714380231762noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-80387434501322665862009-07-01T01:12:00.000-07:002009-07-01T01:17:31.732-07:00Do outro lado do charco<div style="text-align: justify;">«SAME-SEX MARRIAGE is currently one of the most divisive political issues in America. While several states have legalized it, others--most recently, California--have stripped same-sex couples of their right. “What ought we to hope and work for, as a just future for families in our society?” asks <a href="http://dissentmagazine.org/article/?article=1935">Martha Nussbaum in her essay “A Right to Marry.”</a> Martha Ackelsberg,Stephanie Coontz, and Katha Pollitt respond.»</div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-8038743450132266586?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>mvanoreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-3569463525095787232009-06-28T05:16:00.000-07:002009-06-28T05:18:46.449-07:00<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://www.aarp.org/makeadifference/advocacy/stonewall_40th_anniversary/"><img style="margin: 0px auto 10px; display: block; text-align: center; cursor: pointer; width: 400px; height: 97px;" src="http://1.bp.blogspot.com/_gaBIyDsxnYE/SkdfdzoYBZI/AAAAAAAAA5A/LU2zn2iqCuw/s400/stonwall.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5352351647833523602" border="0" /></a><br /><div style="text-align: center;">(clicar na imagem)<br /></div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-356946352509578723?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>Shyznogudhttp://www.blogger.com/profile/07986876912646908827noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-46257381301346457052009-06-24T07:47:00.000-07:002009-06-24T07:54:09.525-07:00Lançamento de Livro<a href="http://4.bp.blogspot.com/_02QQmJGWSZQ/SkI98ypwuvI/AAAAAAAAAEg/SmHaKE63Dws/s1600-h/capa.jpg"><img style="display:block; margin:0px auto 10px; text-align:center;cursor:pointer; cursor:hand;width: 282px; height: 400px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_02QQmJGWSZQ/SkI98ypwuvI/AAAAAAAAAEg/SmHaKE63Dws/s400/capa.jpg" border="0" alt=""id="BLOGGER_PHOTO_ID_5350907421867948786" /></a><br /><br /><strong>A Chave do Armário - Homossexualidade, casamento, família</strong><br />de Miguel Vale de Almeida, ICS, Lisboa, lançamento hoje às 19:00 no Centro LGBT.<br />Estão tod@s convidad@s!<div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4625738130134645705?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>pjvhttp://www.blogger.com/profile/16382536445093301281noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-62547165168011047422009-06-22T09:42:00.000-07:002009-06-22T09:44:40.077-07:00EM MARCHA PELA IGUALDADE<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/Sj-03mfUl9I/AAAAAAAACHI/vwIJ2GIQNiM/s1600-h/mpii.jpg"><img style="cursor: pointer; width: 187px; height: 400px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/Sj-03mfUl9I/AAAAAAAACHI/vwIJ2GIQNiM/s400/mpii.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5350193749657163730" border="0" /></a><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-6254716516801104742?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>sérgio vitorinohttp://www.blogger.com/profile/12357421714380231762noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-47231321863142436622009-06-20T00:25:00.000-07:002009-06-20T00:26:50.165-07:00Hoje!<p><img src="http://arrastao.org/ficheiros/flyer_frente.jpg" style="border-color: black; width: 383px; height: 538px;" alt="" border="0" /></p><br /><br /><object width="425" height="25"><param name="movie" value="http://www.youtube.com/v/WDEHQGF-V18&amp;hl=pt-br&amp;fs=1&amp;"><param name="allowFullScreen" value="true"><param name="allowscriptaccess" value="always"><embed src="http://www.youtube.com/v/WDEHQGF-V18&amp;hl=pt-br&amp;fs=1&amp;" type="application/x-shockwave-flash" allowscriptaccess="always" allowfullscreen="true" width="425" height="25"></embed></object><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4723132186314243662?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>Shyznogudhttp://www.blogger.com/profile/07986876912646908827noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-49459037864101109112009-06-17T09:10:00.000-07:002009-06-17T09:16:26.681-07:00Recurso temporário<div style="text-align: justify;">Como repararão o <span style="font-style: italic;">site</span> que aloja o Manifesto voltou a ficar em baixo. Assim sendo a solução de recurso para quem quiser subscrever o <a href="http://www.igualdade.net/2009/05/testes.html"><span style="font-weight: bold;">texto do Manifesto</span></a> é a seguinte:<br /><br /><span style="font-weight: bold;">Enviar um email para o endereço igualdade@igualdade.net com o subject/assunto "Subscrevo o Manifesto", no corpo do texto do email deverá o constar o nome, profissão e nº do BI.</span></div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4945903786410110911?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>Shyznogudhttp://www.blogger.com/profile/07986876912646908827noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-16482241775490150372009-06-15T03:52:00.000-07:002009-06-16T18:57:22.998-07:00AVISO<span style="font-size:78%;"><span style="font-size:130%;">já é possível subscrever o movimento. o enguiço, que durou seis dias, terminou. </span><br /><br /><br /><br />(Há quatro dias que se tornou impossível subscrever o Movimento pela Igualdade, devido ao facto de o site que aloja a subscrição, o Petionsonline, ter sofrido um ataque. Estamos a tentar resolver este problema e a criar outro suporte para as subscrições. Pedimos desculpa por este contratempo.)</span><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-1648224177549015037?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>f.http://www.blogger.com/profile/08363350535157826501noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-88628934174194772272009-06-14T21:37:00.000-07:002009-06-16T15:56:17.551-07:00DIRECÇÃO: IGUALDADE - 10ª MARCHA DO ORGULHO LGBT 20 JUNNos 40 anos de Stonewall, já no próximo sábado, a celebração da luta pela Igualdade num evento que este ano tem como tema central aquele que é o objectivo do Movimento Pela Igualdade.<br /><a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SjfY1qhM92I/AAAAAAAACGo/8lrl9bfUSyI/s1600-h/cartaz_50x70+-+bx+resolu%C3%A7%C3%A3o.jpg"><img style="cursor: pointer; width: 286px; height: 400px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SjfY1qhM92I/AAAAAAAACGo/8lrl9bfUSyI/s400/cartaz_50x70+-+bx+resolu%C3%A7%C3%A3o.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5347981498983970658" border="0" /></a><a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://3.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SjgjBcf_XBI/AAAAAAAACG4/NFRK1KcB9OA/s1600-h/photo.jpg"><img style="cursor: pointer; width: 270px; height: 400px;" src="http://3.bp.blogspot.com/_Z86xK98xwiI/SjgjBcf_XBI/AAAAAAAACG4/NFRK1KcB9OA/s400/photo.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5348063065239673874" border="0" /></a><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-8862893417419477227?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>sérgio vitorinohttp://www.blogger.com/profile/12357421714380231762noreply@blogger.comtag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-64205496317339305402009-06-14T17:37:00.000-07:002009-06-14T17:46:22.036-07:00um pouco de história recente<a href="http://blog.miguelvaledealmeida.net/?p=876">Agora que foi lançado o </a><a href="http://blog.miguelvaledealmeida.net/?p=876" target="_blank" onclick="javascript:urchinTracker('/outbound/www.igualdade.net?ref=/');">MPI</a><a href="http://blog.miguelvaledealmeida.net/?p=876">, talvez seja útil historiar (para benefício dos mais jovens, dos que vêm de sectores onde esta luta não foi prioritária, ou de subscritores que não acompanharam o assunto) a luta pela igualdade no acesso ao casamento civil. Uma luta com pelo menos 5 anos, com trabalho político, argumentação, e mediatização, e que produziu frutos bem visíveis na subscrição do documento do MPI por muitas personalidades.</a><br /><br />(ler o resto no <a href="http://blog.miguelvaledealmeida.net/">blogue de Miguel Vale de Almeida</a>; <a href="http://www.igualdade.net/2009/06/35-anos-de-luta-pela-igualdade-continua.html">aqui, uma panorâmica da luta pela igualdade na democracia portuguesa</a>)<div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-6420549631733930540?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>f.http://www.blogger.com/profile/08363350535157826501noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-77094625453725013472009-06-12T02:33:00.000-07:002009-06-12T02:36:37.032-07:00"Valeu a pena atravessar a floresta cheia de fantasmas, perigos e papões"<meta equiv="Content-Type" content="text/html; charset=utf-8"><meta name="ProgId" content="Word.Document"><meta name="Generator" content="Microsoft Word 10"><meta name="Originator" content="Microsoft Word 10"><div style="text-align: justify;"><link rel="File-List" href="file:///C:%5CUsers%5CTOMS%7E1%5CAppData%5CLocal%5CTemp%5Cmsohtml1%5C01%5Cclip_filelist.xml"><!--[if gte mso 9]><xml> <w:worddocument> <w:view>Normal</w:View> <w:zoom>0</w:Zoom> <w:hyphenationzone>21</w:HyphenationZone> <w:compatibility> <w:breakwrappedtables/> <w:snaptogridincell/> <w:wraptextwithpunct/> <w:useasianbreakrules/> </w:Compatibility> <w:browserlevel>MicrosoftInternetExplorer4</w:BrowserLevel> </w:WordDocument> </xml><![endif]--><style> <!-- /* Font Definitions */ @font-face {font-family:Georgia; panose-1:2 4 5 2 5 4 5 2 3 3; mso-font-charset:0; mso-generic-font-family:roman; mso-font-pitch:variable; mso-font-signature:647 0 0 0 159 0;} /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-language:EN-US;} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} --> </style><!--[if gte mso 10]> <style> /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Table Normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin:0cm; mso-para-margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman";} </style> <![endif]--><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;">"Nos últimos dias o telefone não pára. Os jornais querem detalhes sobre a sua vida. Os colegas são contactados para revelarem alguma coisa que alimente a curiosidade. Também há quem queira simplesmente agradecer-lhe pelo que fez há dias quando, perante uma multidão de personalidades públicas, jornalistas e câmaras, fez saber que era homossexual e defendeu que duas pessoas do mesmo sexo têm de poder casar-se se quiserem fazê-lo. Ela, Ana Zanatti, nunca se sentiu atraída pelo casamento. Mas o que está em causa, diz, é uma questão de princípio.</span><br /><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;"> Na apresentação do Movimento pela Igualdade no acesso ao casamento civil, no cinema São Jorge, em Lisboa, Zanatti fez algo que não é muito comum. O movimento foi lançado com o apoio de quase mil figuras públicas. Mas não há muitas, em Portugal, que assumam publicamente a sua homossexualidade. Ela assumiu."</span><br /><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;"></span><br /><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;"></span><br /><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;">Introdução da entrevista que Ana Zanatti deu ao <span style="font-style: italic;">Público</span> e que pode ser<a href="http://jornal.publico.clix.pt/magoo/noticias.asp?a=2009&amp;m=06&amp;d=12&amp;uid=&amp;id=309847&amp;sid=59088"> lida na íntegra aqui</a>.</span><br /><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;"></span></div><span style="font-size: 10.5pt; font-family: Georgia; color: black;"> <!--[if !supportLineBreakNewLine]--><br /> <!--[endif]--></span><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-7709462545372501347?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>Shyznogudhttp://www.blogger.com/profile/07986876912646908827noreply@blogger.com2tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-49295678430770444562009-06-10T06:44:00.000-07:002009-06-14T17:34:03.363-07:0035 anos de luta pela igualdade (continua)<p><b>1974</b> A associação dos psiquiatras americanos retira a homossexualidade da lista das patologias. Em Portugal, um manifesto de homossexuais é repudiado pelo general Galvão de Melo na TV: “O 25 de Abril não se fez para as prostitutas e os homossexuais reinvindicarem”.</p> <p> <b>1976</b> É aprovada no parlamento eleito a Constituição da República, que estabelece a igualdade de todos os cidadãos perante a lei, assim como a reserva da vida íntima.</p> <p> <b>1982</b> É revogado o Código Penal (CP) de 1886, que no artigo 71º punia com “medidas desegurança -- internamento “em manicómio criminal”, “casa de trabalho ou colónia agrícola” (por período de seis meses a três anos, para trabalhos forçados), “liberdade vigiada”,“caução de boa conduta” e “interdição do exercício de profissão”– quem se entregasse “habitualmente à prática de vícios contra a natureza”, práticas essas que “agredissem” o “princípio básico da moral sexual” e “o primado da sexualidade genital e da reprodução”. Mas cria-se um novo crime (artigo207º),“Homossexualidade com menores”, punindo com prisão até três anos “quem, sendo maior, desencaminhar menor de 16 anos do mesmo sexo para a prática de acto contrário ao pudor, consigo ou com outrém do mesmo sexo”.</p> <p><b>1989</b> Uma portaria de inaptidões para o serviço militar classifica como doença mental os “desvios e transtornos sexuais: homossexualidade e outras perversões sexuais” . Quem manifestar tal “desvio” é inapto.</p> <p><b>1991</b> Surge o primeiro grupo organizadode defesa dos direitos LGBT. É o Grupo de Trabalho Homossexual, integrado no Partido Socialista Revolucionário, um dos partidos que virá em 1999 a unir-se no Bloco de esquerda.</p> <p><b>1992</b> A Organização Mundial de Saúde retira a homossexualidade da lista das patologias.</p> <p><b>1995</b> Nova revisão do CP substitui o artigo 207º pelo 175º, “Actos homossexuais com menores”. Prevê-se que “quem, sendo maior, praticar actos homossexuais de relevo com menor entre 14 e 16 anos, ou levar a que eles sejam por este praticados com outrem, é punido com pena de prisão até 2 anos ou com pena de multa até 240 dias”. Entre pessoas da mesma idade mas de sexo diferente, só há crime se houver “abuso de inexperiência”.</p> <p><b>1996</b> Os Verdes propõem incluir no artigo 13º da Constituição a proibição da discriminação em função da orientação sexual. Abstenção do PS e votos contrários do PSD e do PP impedem aprovação. São criadas a associação ILGA-Portugal e o Clube Safo (associação lésbica).</p> <p><b>1997</b> É publicado o despacho do Ministério da Administração Interna n.º 13/97, que declara inaptidão à admissão na PSP de “personalidades psicopáticas de qualquer tipo, particularmente anormais sexuais, em particular invertidos”. É celebrado o primeiro arraial pride no Príncipe Real, fundadada a associação Opus Gay e ocorre o I Festival de Cinema Gay e Lésbico, com o apoio da Câmara de Lisboa.</p> <p><b>1998</b> É publicado o manifesto dos grupos/associações homossexuais, com várias exigências, entre as quais a inclusão da não discriminação em função da orientação sexual no artigo 13.º da Constituição, o reconhecimento das uniões de facto e do acesso à adopção. O casamento não faz parte das reivindicações.</p> <p><b>1999</b> Entra em vigor o Tratado de Amesterdão (UE), que consagra a proibição da discriminação em função da orientação sexual . É, em Março, revogada a tabela nacional das inaptidões aprovada em Janeiro e na qual a homossexualidade surgia como “deficiência”. O provedor de Justiça declara “constitucionalmente intoleráveis” as restrições constantes nas tabelas de inaptidões do serviço militar e da PSP. É aprovada uma lei das uniões de facto, proposta pelo PS, que exclui casais do mesmo sexo.</p> <p><b>2000</b> Primeira parada do Orgulho Gay desce a Avenida da Liberdade, em Lisboa.</p> <p><b>2001</b> O Parlamento aprova uma lei das uniões de facto que inclui os casais do mesmo sexo, excluindo-os da adopção.</p> <p><b>2003</b> O novo Código do Trabalho proíbe a discriminação do trabalhador com base na orientação sexual.</p> <p><b>2004</b> A orientação sexual é incluída no artigo 13.º da Constituição, em votação parlamentar.</p> <p><b>2005</b> A ILGA-Portugal lança uma petição pela igualdade no acesso ao casamento. Recolhe mais de 7000 assinaturas. O Tribunal Constitucional (TC) reputa de inconstitucional o artigo 175.º do Código Penal.</p> <p><b>2006</b> Teresa Pires e Helena Paixão tentam casar-se numa Conservatória de Lisboa. Sucessivas recusas levam o caso até ao Tribunal Constitucional, onde aguarda decisão.</p> <p><b>2007</b> A revisão do Código Penal elimina o artigo 175.º e inclui, no novo crime de violência doméstica, os casais do mesmo sexo, assim como, entre as circunstâncias agravantes dos crimes, o ódio baseado na orientação sexual.</p> <p><b>2008</b> A secretária de Estado Idália Moniz garante que os casais do mesmo sexo estão excluídos das candidaturas a família de acolhimento, apesar de a lei admitir unidos de facto. Decorre, a 3 de Outubro, a audição parlamentar de apreciação da petição a favor do casamento das pessoas do mesmo sexo. A 10 de Outubro, é votada a petição, assim como os projectos de lei do BE e de Os Verdes sobre o mesmo assunto, com chumbo anunciado pelo voto contra do PS, PSD e PP.</p> <p><b>2009</b> A 18 de Janeiro, na apresentação da sua moção para o congresso a ter lugar em Fevereiro, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro José Socrates afirma como prioridade "o combate a todas as formas de discriminação e a remoção, na próxima legislatura, das barreiras jurídicas à realização do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo". No dia seguinte, o ministro dos Assuntos Parlamentares, Augusto Santos Silva, precisa: "A moção apresentada pelo secretário-geral do PS contempla a remoção das barreiras jurídicas à celebração de casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Não propõe mais nada. Se o congresso aprovar a moção, a posição do PS continuará a ser contrária à adopção de crianças por parte de casais formados por pessoas do mesmo sexo".<br /></p><p>A 31 de Maio, é apresentado no cinema São Jorge, em Lisboa, o Movimento pela Igualdade.</p><p>(adaptação de cronologia publicada no DN de 4 de Outubro de 2008)<br /></p><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4929567843077044456?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>f.http://www.blogger.com/profile/08363350535157826501noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-78003413737016181612009-06-08T05:06:00.000-07:002009-06-08T05:08:32.597-07:00Movimento pela gualdade - Daniel Sampaio<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://2.bp.blogspot.com/_gaBIyDsxnYE/Siz_Eu9l6_I/AAAAAAAAA4w/DB4rHXkerbU/s1600-h/mpi+-+ds.jpg"><img style="margin: 0pt 10px 10px 0pt; float: left; cursor: pointer; width: 234px; height: 320px;" src="http://2.bp.blogspot.com/_gaBIyDsxnYE/Siz_Eu9l6_I/AAAAAAAAA4w/DB4rHXkerbU/s320/mpi+-+ds.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5344927314572864498" border="0" /></a><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />(pode ser lido <a href="http://www.scribd.com/doc/16214621/MPI-Daniel-Sampaio-Jornal-Publico">aqui</a>)<div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-7800341373701618161?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>Shyznogudhttp://www.blogger.com/profile/07986876912646908827noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-13071602206223863892009-06-06T02:45:00.000-07:002009-06-06T02:54:10.318-07:00São José Almeida no Público de hoje<div id="txtTitle" style="font-family: Georgia,Times New Roman,Times,serif; font-size: 21px; font-weight: bold; color: rgb(0, 0, 0); text-decoration: none; text-align: justify;">«Pelos cidadãos, contra o dirigismo<a href="http://jornal.publico.clix.pt/main.asp?dt=20090606&amp;id="><img style="cursor: default;" src="http://jornal.publico.clix.pt/img/pxTRANS.gif" border="0" width="10" height="10" /></a></div><div style="text-align: justify;">Foi apresentado no domingo, em Lisboa, o Movimento pela Igualdade (MpI) no acesso ao casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. A cerimónia teve um importante valor simbólico, para além do seu valor intrínseco e da qualidade das intervenções feitas por Ana Zanatti, Daniel Sampaio, Pedro Lopes Marques e Isabel Mayer Moreira. Esta última é dona de um brilhantismo discursivo e de uma leitura constitucional centrada na defesa dos direitos humanos que surpreende num país em que é tão ignorado este assunto estruturante das democracias modernas.<br />A cerimónia de lançamento do MpI tem um valor simbólico imenso que importa salientar e que se desenvolve a dois níveis. O primeiro tem a ver com a luta pelos direitos cívicos dos homossexuais. O segundo, mais amplo, prende-se com o afastamento dos cidadãos da vida pública e política e da gestão do Estado.<br />No plano da luta dos homossexuais, o lançamento do MpI é um marco histórico. Pela primeira vez, numa cerimónia pública de reivindicação política de um direito, houve um homossexual que não dirige nenhuma associação a falar na primeira pessoa. Neste caso, uma mulher, Ana Zanatti, que fez o seu outing, com uma absoluta componente política de luta por direitos individuais e cívicos.<br />Mas o que o que se passou no domingo representa também a subida de patamar da luta por direitos dos homossexuais em Portugal. A cerimónia de dia 31 de Maio é o momento simbólico em que se dá a passagem de uma luta aparentemente fechada e centrada em débeis associações LGBT para uma abertura do movimento gay português à sociedade civil.<br />A luta pelo direito à dignidade humana e ao igual tratamento de todos os cidadãos perante a lei, que caracteriza a democracia e que era feita por alguns, passou a ser uma luta em que está representada a diversidade sociológica portuguesa. De Lili Caneças a José Saramago, de Miguel Sousa Tavares a Ana Luísa Amaral, de Ricardo Araújo Pereira a Susana Feitor, de Vasco Rato a Odete Santos.<br />É certo que é preciso não esquecer que este movimento, que ultrapassa já a lógica das associações LGBT, tem por trás as próprias associações. Este movimento e o seu manifesto não nascem de geração espontânea. Surgem de uma conjugação de esforços de cidadãos não organizados em associações com associações LGBT, feministas ou de luta contra a discriminação, como a ILGA, as Panteras Rosas, a Não Te Prives, a Rede Ex-aequo, a UMAR, a Rede de Jovens para a Igualdade, a Poliportugal, o Portugalgay.pt, o Caleidoscópio LGBT, a ATTAC, a Associação para o Planeamento da Família, os Médicos pela Escolha, o Grupo de Acção e Tratamento HIV/Sida.<br />E é o fruto de um trabalho quase anónimo, estigmatizado e estigmatizante, que alguns (pouquíssimos) homossexuais desenvolveram desde os anos 90 - destaque-se, a título de exemplo, Gonçalo Diniz. E que teve como marco, em 1995, o nascimento da secção portuguesa da ILGA, a partir da Abraço e impulsionada pelo terror da sida. Não é por acaso que este direito é reconhecido já nos programas de partidos. É porque houve um trabalho de lobby feito pelas organizações, que deve ser destacado e elogiado.<br />Assim como é evidente que o reconhecimento ou não do direito ao casamento e consequentemente à adopção, como último direito cívico simbólico que discrimina os homossexuais, não é uma mania - é uma das causas que movem a política nas democracias modernas. Atente-se na luta política à volta deste direito que se desenvolve nos Estados Unidos.<br />Outra coisa será o reconhecimento social e a mudança de mentalidade profunda, que levará décadas, mas que só será forçada se houver um quadro jurídico que imponha a mudança de comportamentos - como demonstra historicamente a luta pela emancipação dos negros, das mulheres e dos próprios homossexuais.<br />O nascimento do MpI tem também um significado simbólico no que é em geral a luta por direitos e por causas por parte dos cidadãos, enquadrados por associações, perante o poder político - uma forma de participação democrática moderna que em todas as democracias liberais complementa já a democracia representativa. E que teve um momento alto na luta a favor ou contra a liberalização do aborto.<br />Ainda esta semana a investigadora de ciência política Conceição Pequito, em conversa com o PÚBLICO (01/06/2009), a propósito da importantíssima investigação sobre o sistema político português que é a sua tese de doutoramento (O Povo Semi-Soberano. Partidos Políticos e Recrutamento Parlamentar em Portugal), diagnosticava como problema específico português, em relação às outras democracias europeias, precisamente a inexistência de sociedade civil. E o que isso significava de factor agravador do desfasamento entre os cidadãos e aqueles que podem ser os seus intérpretes no poder político, os partidos.<br />Em Portugal, o dirigismo dos partidos tem-se sobreposto e matado à nascença todas as tentativas de expressão política directa de cidadãos. Os partidos, criados após a revolução, sem base social, mantêm-se inacessíveis e sem querer partilhar o poder de decidir. Esse dirigismo, de quem só conta com os cidadãos para garantir votos e encher comícios, como se estes fossem bonecos insufláveis que se usam quando são precisos, pode, todavia, estar à beira de explodir de novo na cara da elite que dirige os partidos.<br />Até porque, se finalmente houve cidadãos que saíram de suas casas para ir ao Cinema S. Jorge defender a causa do acesso ao casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, o país corre o risco de viver mais um acto eleitoral em que os portugueses se recusam a entrar nas assembleias de voto e a manifestar a sua opinião nas urnas eleitorais.<br />Resta saber até quando os cidadãos portugueses vão permitir que as elites que dirigem os partidos mantenham a vida política como sua refém, ou se o MpI é um sinal para durar e multiplicar-se.»<br /><br />Jornalista<br />São José Almeida</div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-1307160220622386389?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>mvanoreply@blogger.com4tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-13964771090222532632009-06-05T11:37:00.000-07:002009-06-06T02:54:24.668-07:00EUA: New Hampshire aprova igualdade no casamento<div style="text-align: justify;"><em>Após a aprovação pelos legisladores a lei que reconhece os casamentos entre pessoas do mesmo sexo foi aprovada pelo Governador John Lynch no mesmo dia, esta quarta-feira.</em><br /><em></em><br /><em>A lei foi revista em alguns detalhes para responder às dúvidas do governador para tornar claro que um grupo religioso e seus empregados não são obrigados a participar ou realizar cerimónias de casamento entre casais do mesmo sexo.</em><br /><em></em><br /><em>O Governador tinha apoiado no passado as uniões civis mas não o casamento para casais do mesmo sexo mas veio agora a público referir que lhe foram apresentados "argumentos inegáveis que um sistema separado não é um sistema igual".</em><br /><em></em><br /><em>"Hoje", afirmou, "levantamo-nos pelos direitos de casais do mesmo sexo ao tornar claro que eles vão receber os mesmos direitos, responsabilidades - e respeito - sob a lei de New Hampshire.”</em><br /><em></em><br /><em>A lei entra em efeito no dia 1 de Janeiro. Durante o processo de alterações chegou a ser sugerida a ideia de permitir a grupos religiosos recusar serviços como aconselhamento religioso, habitação para pessoas casadas e outros serviços relacionados com "a promoção do casamento" a casais do mesmo sexo, mas tal situação não foi colocada no texto final.</em><br /><em></em><br /><em>Grupos de defesa dos direitos de gays e lésbicas já mostraram o seu apoio pela aprovação da lei indicando que é mais um passo para a aceitação dos cidadãos dos EUA em geral do casamento entre pessoas do mesmo sexo. "Quando as pessoas começam a reconhecer casais em relações emocionais e dedicadas como a base da igualdade no casamento", afirmou Neil G. Giuliano, presidente da Gay and Lesbian Alliance Against Defamation, “a nossa cultura avança no sentido da equalidade.”</em><br /><br />retirado <a href="http://portugalgay.pt/news/040609A/EUA:_New_Hampshire_aprova_igualdade_no_casamento">daqui</a></div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-1396477109022253263?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>pjvhttp://www.blogger.com/profile/16382536445093301281noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-42511360390503014442009-06-04T05:16:00.000-07:002009-06-04T08:55:39.724-07:00Ana Zanatti na Visão de hoje<a onblur="try {parent.deselectBloggerImageGracefully();} catch(e) {}" href="http://4.bp.blogspot.com/_gaBIyDsxnYE/Sie7tYN1AbI/AAAAAAAAA4o/no66gb01x60/s1600-h/Ana+Zannati.jpg"><img style="margin: 0pt 10px 10px 0pt; float: left; cursor: pointer; width: 236px; height: 326px;" src="http://4.bp.blogspot.com/_gaBIyDsxnYE/Sie7tYN1AbI/AAAAAAAAA4o/no66gb01x60/s320/Ana+Zannati.jpg" alt="" id="BLOGGER_PHOTO_ID_5343445871167340978" border="0" /></a><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br /><br />(Clicar <a href="http://www.flickr.com/photos/38813618@N02/3594410797/sizes/l/">aqui</a> para ler melhor)<div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4251136039050301444?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>Shyznogudhttp://www.blogger.com/profile/07986876912646908827noreply@blogger.com3tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-39681130769081821222009-06-03T15:16:00.000-07:002009-06-06T02:54:37.910-07:00ja somos 5000!!!<div style="text-align: justify;">apenas 3 dias depois da apresentação o movimento pela igualdade junta já 5000 pessoas! <a href="http://www.petitiononline.com/mpi/petition.html">assine</a>!<br /><br />(em estéreo <a href="http://5dias.net/">aqui</a>)</div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-3968113076908182122?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>pjvhttp://www.blogger.com/profile/16382536445093301281noreply@blogger.com3tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-25971268983531879332009-06-03T15:13:00.001-07:002009-06-06T02:54:49.563-07:00e faltam 44<div style="text-align: justify;">e <a target="_blank" href="http://jugular.blogs.sapo.pt/865626.html" _fcksavedurl="http://jugular.blogs.sapo.pt/865626.html">depois do maine</a>, o <a target="_blank" href="http://www.nytimes.com/aponline/2009/06/03/us/AP-US-XGR-Gay-Marriage-New-Hampshire.html?_r=2&amp;hp" _fcksavedurl="http://www.nytimes.com/aponline/2009/06/03/us/AP-US-XGR-Gay-Marriage-New-Hampshire.html?_r=2&amp;hp">new hampshire</a>. se não nos despachamos, os eua ainda nos passam à frente. <a target="_blank" href="http://jugular.blogs.sapo.pt/934943.html" _fcksavedurl="http://jugular.blogs.sapo.pt/934943.html">movamo-nos.</a> depressa, vá.<br /><br />(em estéreo <a href="http://jugular.blogs.sapo.pt/">aqui</a>)</div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-2597126898353187933?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>f.http://www.blogger.com/profile/08363350535157826501noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-84195392439220471952009-06-02T04:05:00.000-07:002009-06-06T02:53:13.016-07:00de uma vez por todas dizer nós<p align="justify"><span style=";font-family:Times New Roman;font-size:130%;" ></span></p><div style="text-align: justify;">(alocução da jurista isabel mayer moreira na apresentação do movimento pela igualdade, de que é uma dos primeiros mil subscritores)<br /><br /><span style="font-style: italic;">Decidi juntar-me ao MPI por duas razões: por convicção e por dever cívico, razões que andam de mãos dadas. Tenho a convicção profunda de que há uma injustiça, uma imoralidade, grave, na sociedade portuguesa, a que o Direito civil português tristemente dá cobertura e a que urge pôr fim, para bem não apenas dos visados, mas para bem de todos. Tenho a convicção profunda de que um dos factores pelos quais se mede o estádio de civilidade de um país é a forma como o mesmo trata as minorias, pelo que acabar com o triste imperativo que resulta de uma lei datada pela homofobia e que podemos traduzir no mandamento dirigido às pessoas do mesmo sexo vocês não podem casar é melhorar a sociedade, e do contrato social de que todos fazemos parte. Trata-se de criar uma sociedade mais justa, mais livre e mais solidária, imperativos de um Estado de direito. </span><br /><br /><span style="font-style: italic;"> Decidi juntar-me ao MPI por dever cívico, porque aprendi desde cedo que nós não somos sem o outro, pelo que não podemos continuar a viver as nossas vidas como se uma massa anónima de murmúrios sem nome não nos incomodasse, eles, aquelas pessoas, que por acaso têm nome, existem, são pessoas, pessoas só, às vezes pessoas sós, na sua condição, com direito a serem pessoas por inteiro na sua dignidade, o primeiro princípio constitucional, pessoas a quem a lei, em nome de preconceitos hoje inadmissíveis, quer do ponto de vista constitucional, quer do ponto de vista moral, quer ainda do ponto de vista político, afasta do acesso a um bem, a um direito fundamental, o casamento, que tem consequências práticas e que tem um peso simbólico de inclusão do outro na normalidade dos conceitos. Este movimento é ainda muito importante porque, insisto, está em causa um direito fundamental, pelo que a questão devia ser simples de resolver, na senda da Holanda, da Bélgica, do Canadá, da Espanha, da Noruega, da Suécia, da África do Sul, ou dos cinco Estados dos EUA que já nos tomaram a dianteira, a questão é fácil de colocar e tem uma resposta muito clara se a virmos na sua simplicidade. No entanto, sabemos que há quem não entenda que é mais importante discutir a imoralidade do mandamento tu não podes casar do que um alegado conceito histórico de casamento aliado à procriação, ou as alegadas consequências ditas inevitáveis da nossa proposta como a poligamia ou mesmo - porque não? -o casamento entre pais e filhos, entre irmãos, eu diria até com animais, os argumentos terroristas que servem para desconversar e que são cegos a experiências como a da nossa vizinha Espanha onde o mundo não acabou, antes pelo contrário, onde o mundo continuou melhor, mais justo, mais solidário. Está aqui em causa uma questão identitária, ao contrário desses devaneios terroristas. Ninguém cometeu um erro, ninguém é, como se presume, um erro. Os homossexuais são pessoas por inteiro, sãs, como outras quaisquer. </span><br /><br /><span style="font-style: italic;">Hoje, evidentemente, seria um atentado à autonomia individual pretender-se que o casamento tem por finalidade a procriação: só tem filhos quem quer, só tem filhos quem pode, casa quem quer. Mas é importante perceber que está em causa o acesso ao casamento civil, , instituição estadual com século e meio, alheia a legítimas concepções religiosas ou outras. Em todo o caso, como curiosamente explicam os Professores Pires de Lima e Antunes Varela, o que há século e meio esteve na génese da proibição do acesso ao casamento civil por parte de pessoas do mesmo sexo foi entender-se não ser possível a comunhão plena de vida entre essas pessoas . Isto é homofobia pura. Pura e simples. Ignorante e cega à realidade de milhares de casais que existem, que fazem as suas vidas, que pagam impostos, mas que não são nós, são eles, são aqueles. </span><br /> <span style="font-style: italic;">Não se pretende impor qualquer visão do casamento às pessoas de sexo diferente; mesmo que o casamento tivesse por finalidade a procriação, que não tem, não impediria o casamento de pessoas que não podem ter filhos; o facto é que a lei nega toda a especialidade do casamento sem filhos seja porque motivo for, isto é, nada há, em termos de regime, de especial nessa circunstância; e mais importante, esta desconversa da procriação é uma visão utilitarista das pessoas hoje, como já referi, inaceitável à luz da autonomia individual. De resto, alguém no seu perfeito juízo pode supor que mudando o casamento as pessoas vão ter menos filhos? A verdade é que se confunde casamento com filiação. E a verdade é que se esquece que os homossexuais têm filhos. </span><br /><br /><span style="font-style: italic;">Hoje pedimos que se tome consciência de que os direitos fundamentais, enquanto expressão da dignidade da pessoa humana, garantem ao indivíduo um espaço de não intervenção alheia, querendo aqui chamar-se a esse espaço uma moral colectiva maioritária, ditada ou votada, decidida ou eleita, que lhe não permitisse esse acontecimento único que é ser-se, em liberdade, o que se é. Por isso mesmo, contra direitos fundamentais não valem, sem mais, maiorias, sob pena de se funcionalizarem os primeiros; é por isso, também, que os direitos fundamentais, sendo a asserção mais efectiva nas liberdades e nas competências, como é o caso, não admitem e devem resistir ao discurso do que diz a maioria sobre o comportamento a ele associado, ou do que é, conjunturalmente, a vontade parlamentar. Mais: é ainda pelo que se vem afirmando que as liberdades e competências, fortemente ligadas à dignidade das pessoas, não têm de esperar pelo consenso social para terem plena efectividade. Nesse sentido aponta-se uma vocação contramaioritária dos direitos fundamentais. Quer-se com este passo recordar que numa ordem constitucional fundada na dignidade da pessoa, à qual o Estado se subordina, quando um direito expressa claramente uma liberdade ou uma competência que inscrevem o titular num universo de seres livres e iguais em dignidade, só por razões muito ponderosas, excepcionais e com claro apoio na Constituição pode o legislador afastar uma categoria de pessoas daquele direito. </span><br /><br /> <span style="font-style: italic;">É, pois, absolutamente inadmissível qualquer tentação referendária sobre o direito de acesso ao casamento civil por parte das pessoas do mesmo sexo. Isso seria totalitário. </span><br /> <span style="font-style: italic;">Pura e simplesmente, à luz do que referi, não é moral ou juridicamente aceitável retirar um bem a um grupo de pessoas sem razões para isso. E não há razões para isso. Razões, amigos, razões. Não há um interesse constitucional ou moral contrário a ponderar com vista a um resultado diferente do que aqui defendemos. Não há. </span><br /><br /><span style="font-style: italic;">A sociedade prefere pensar que os homossexuais podem existir desde que não chateiem, desde que não apareçam nessa condição, desde que se disfarcem. Ignoram o sofrimento dessa condição de invisibilidade e não fazem o exercício sobre si próprios. Experimentem. Gostava de propor o exercício a um homem ou a uma mulher heterossexual casados. Experimentem imaginar o momento em que se apaixonaram. Não poderem expressar publicamente o vosso afecto. Eventualmente a vossa família não vos aceitar. Condicionarem cada gesto de expressão de um sentimento. Num momento de crise viverem a mesma apenas com quem compreenda que o amor que sentem não é aceite por parte da sociedade. Quererem casar, exteriorizar a vossa relação perante terceiros, aceder a esse bem jurídico e social e esbarrarem com uma lei que vos diz que vocês são anormais para o efeito. Experimentem o exercício. </span><br /><br /><span style="font-style: italic;">A questão é que o Direito vai à frente no derrubar das discriminações em matéria de direitos fundamentais e não espera por consensos sociais. A não ser assim, não tinha acabado a escravatura, não se tinha consagrado o sufrágio feminino, não tinha permitido o casamento inter-racial, que ainda nos anos sessenta, nos EUA, conhecia sentenças que temiam pelos filhos de uma tal aberração, e o próprio casamento não teria mudado radicalmente nos últimos cem anos no sentido da igualdade entre homens e mulheres e da facilitação do divórcio. Deixou de ser casamento? Não. Tal como na vizinha Espanha, quando tivermos a decência de acabar com o mandamento tu não podes casar, o casamento dos católicos continua incólume, cada pessoa casa com a sua concepção intocável, simplesmente há mais um grupo de pessoas com acesso a esse bem, pessoas silenciadas anos e anos, criminalizadas até há trinta anos, tidas por doentes até há vinte anos, mortas por regimes totalitários, que foram de humilhação em humilhação levantando a cabeça até a momentos como o de hoje onde todos possamos parar de dizer </span>eles<span style="font-style: italic;"> e possamos de uma vez por todas dizer </span>nós<span style="font-style: italic;">.</span><br /><br />(publicado em estéreo no <a href="http://jugular.blogs.sapo.pt/">jugular</a><span style="font-style: italic;">)</span><br /></div><p align="justify"><span style=";font-family:Times New Roman;font-size:130%;" ></span></p><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-8419539243922047195?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>f.http://www.blogger.com/profile/08363350535157826501noreply@blogger.com5tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-25409878441006844092009-06-02T03:31:00.000-07:002009-06-06T02:53:52.345-07:00'não, não se pode escondê-los no armário'<div style="text-align: justify;"><span style="font-style: italic;">E então logo alguém se indigna: com tantas questões urgentes para resolver, vai agora perder-se tempo a discutir o casamento gay? E o desemprego? A crise. Outro disparate. Equivale a defender que não se deve investir na exploração espacial enquanto não se erradicar a fome do planeta. Ainda que o autor da tirada seja um Nobel, uma coisa nada tem a ver com a outra. Não é por desistirmos do sonho caro de chegar a Marte que a taxa de mortalidade no Corno de África vai cair.</span><br /><br /><span style="font-style: italic;">Num mundo ideal, seria mesmo um disparate perder tempo a debater o casamento gay. Pelas razões opostas. Porque é um direito individual elementar e porque, de tão evidente, a discriminação de que os homossexuais são alvo em países como Portugal (ao contrário da tão ou mais católica Espanha) pura e simplesmente não devia merecer discussão. Mas, infelizmente, merece - ainda este fim-de-semana, cerca de mil personalidades assinaram uma petição de apoio ao Movimento pela Igualdade no acesso ao casamento civil</span>.<br /><br /><span style="font-style: italic;">E merece porque há demasiados portugueses com uma resistência mesquinha a esta mudança. É crença generalizada que os gays e as lésbicas são promíscuos e incapazes de assumir compromissos duradouros ou que a homossexualidade é uma opção contrariável. Mas, dando de barato todos esses preconceitos idiotas, a questão é esta: o que têm os heterossexuais a perder se o Estado consagrar o casamento entre duas pessoas do mesmo sexo? Nada.</span><br /><br /><span style="font-style: italic;">Depois há o medo, que dá azo às interpretações mais variadas. Quem viu o filme "Milk" , se não percebia até que ponto o medo irracional pode travar a conquista de uma minoria, terá ficado esclarecido.</span><br /><br /><span style="font-style: italic;">Este não é um assunto da moda. Se é mais ou menos importante do que outros, tudo vai da perspectiva: pergunte-se, por exemplo, aos homossexuais que querem casar-se. E pergunte-se já: qual é o problema?</span><br /><br /><br />(francisco camacho, no<a href="http://www.ionline.pt/"> i</a> -- vale a pena ler o <a href="http://www.ionline.pt/conteudo/6994-nao-nao-se-pode-esconde-los-no-armario">texto todo</a>)</div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-2540987844100684409?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>f.http://www.blogger.com/profile/08363350535157826501noreply@blogger.com0tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-1091386568352974262009-06-01T07:28:00.000-07:002009-06-01T07:30:18.141-07:00Já somos dois mil...<a href="http://www.petitiononline.com/mpi/petition.html">assina aqui</a><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-109138656835297426?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>pjvhttp://www.blogger.com/profile/16382536445093301281noreply@blogger.com1tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-69860429884012903602009-06-01T06:06:00.000-07:002009-06-06T02:55:15.494-07:00somos muit@s<div style="text-align: justify;">Esta é parte do texto publicado ontem por <a href="http://daliteratura.blogspot.com/2009/05/pela-igualdade.html">Eduardo Pitta</a> antes da apresentação pública do MPI. Denote-se a diversidade profissional presente na referida lista.<br /><br /><em>Realiza-se hoje, em Lisboa, no Cinema São Jorge (16:00h), a apresentação pública de um Manifesto pela igualdade no acesso ao casamento civil, documento que traduz o apoio ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Na mesa vão estar Daniel Sampaio, Isabel Mayer Moreira, Fernanda Lapa, Ana Zanatti e Pedro Marques Lopes.</em><br /><em></em><br /><em>Na impossibilidade de citar os mais de mil subscritores desse Manifesto, deixo aqui alguns nomes. São pessoas de todas as profissões, com representatividade na sociedade civil, designadamente escritores, poetas, ficcionistas, ensaístas, críticos, artistas plásticos, fotógrafos, cineastas, músicos, actores, médicos, advogados, magistrados, arquitectos, pediatras, deputados, sociólogos, jornalistas, antropólogos, investigadores, psicólogos, empresários, dirigentes associativos, editores, livreiros, autarcas, psiquiatras, sindicalistas, historiadores, geógrafos, informáticos, juristas, coreógrafos, apresentadores de televisão, biólogos, colunistas, linguistas, arqueólogos, físicos, humoristas, politólogos, encenadores, galeristas, bloggers, curadores de museus, programadores culturais, professores de todos os graus de ensino, bem como, naturalmente, activistas LGBT e centenas de anónimos.</em></div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-6986042988401290360?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>pjvhttp://www.blogger.com/profile/16382536445093301281noreply@blogger.com3tag:blogger.com,1999:blog-4103725054292051892.post-46643609955624548012009-06-01T05:56:00.000-07:002009-06-06T02:55:29.561-07:00Nuno Artur Silva ao i<div style="text-align: justify;"><em>"Acho que um cidadão que queira casar-se deve poeder fazê-lo sem qualquer tipo de discriminação. Tem sido importante que certas pessoas venham, com naturalidade assumir a sua orientação sexual." </em></div><div class="blogger-post-footer"><img width='1' height='1' src='https://blogger.googleusercontent.com/tracker/4103725054292051892-4664360995562454801?l=www.igualdade.net' alt='' /></div>pjvhttp://www.blogger.com/profile/16382536445093301281noreply@blogger.com0